Minhas Leituras #39: O sorriso da hiena – Gustavo Ávila

Título: O sorriso da hiena
Autor: Gustavo Ávila
Editora: Verus
Ano: 2017
Páginas: 266
Veja o livro no site da editora: http://www.record.com.br/livro_sinopse.asp?id_livro=29716

“— Pelo menos você está perguntando o que há de tão errado neste mundo. A maioria de nós não diz nada pra não correr o risco de se incriminar depois por ter tomado partido”. (ÁVILA, Gustavo. O sorriso da hiena. Verus Editora, 2017, p. 42)

O mercado editorial brasileiro está repleto de thrillers, histórias policiais, de suspense. Porém, a enorme maioria dos livros desse gênero, aqui publicados, são de origem internacional. Gustavo Ávila faz parte de uma nova safra de escritores nacionais que, aos poucos, estão mudando essa situação. Continuar lendo “Minhas Leituras #39: O sorriso da hiena – Gustavo Ávila”

Anúncios
Minhas Leituras #39: O sorriso da hiena – Gustavo Ávila

O que é a Epidemiologia?

A epidemiologia é a ciência que estuda as epidemias. As primeiras observações epidemiológicas foram feitas pelo médico John Snow que investigou óbitos causados por cólera. Ele analisou as residências que tiveram e que não tiveram casos de óbito. O médico percebeu que as residências que haviam tido casos de morte pela doença tinham água fornecida por uma determinada empresa, diferente das outras casas que onde não foi detetada a doença. Concluiu-se, então, que o causador da epidemia de cólera era a água fornecida por aquela empresa.

Essa ciência estuda quantitativamente os fatores de saúde-doença de um grupo, bem como os elementos ambientais, genéticos e exposição a elementos tóxicos que podem levar ao contágio e/ou à morte, para que assim seja possível elaborar estratégias para a prevenção, controle e eliminação dos fatores que levam à enfermidades. Continuar lendo “O que é a Epidemiologia?”

O que é a Epidemiologia?

Como conhecemos as pessoas?

O que é conhecer alguém? Como esse processo acontece?

“Não vemos as pessoas como elas são, mas sim como nós somos”.

Em nossa interação com as outras pessoas, registramos o que acontece de forma mais ou menos distorcida, em função de nossos interesses, vieses, atitudes e formas de fazer atribuições.

Dificilmente não temos uma teoria implícita de personalidade, da qual pessoas com determinados traços seguirão os comportamentos já esperados. A crença nesse tipo de teoria facilita nosso entendimento sobre as intenções e comportamentos das pessoas. Às vezes possuímos teorias sobre determinados grupos. É o que os psicólogos sociais chamam de estereótipos e que consistem na atribuição de determinados traços aos membros de um certo grupo.

Esses estereótipos possuem algo de verdadeiro, porém podem ser totalmente falsos em um caso particular. É comum dizer que todo político é corrupto, mas há exceções, alguns políticos são honestos, pois esses estereótipos decorrem da generalização de observações individuais dos indivíduos desse grupo. Um estereótipo integrado por aspectos puramente negativos, como o do exemplo acima, é chamado de preconceito. Continuar lendo “Como conhecemos as pessoas?”

Como conhecemos as pessoas?

Minhas Leituras #34: Madame Bovary – Gustave Flaubert

Título: Madame Bovary
Autor: Gustave Flaubert
Editora: Nova Alexandria
Ano: 2009
Páginas: 360
Tradução: Fúlvia M. L. Moretto
Veja o livro no site da editora: http://www.lojanovaalexandria.com.br/madame-bovary.html

“O amor não precisaria, como as plantas indianas, terrenos preparados, uma temperatura própria?” (FLAUBERT, Gustave. Madame Bovary. Nova Alexandria, 2009, p. 64)

Considerado o “romance dos romances”, ‘Madame Bovary’ é o marco da narrativa realista moderna. Romance tanto em gênero literário, quanto em estilo de composição em prosa, este livro inspirou diversos autores, para citar um, por exemplo, o vencedor do Nobel Mario Vargas Llosa. Como boa parte dos clássicos do século XIX, gerou polêmica quando foi publicado, recebendo uma tentativa de censura. Conheça um pouco mais sobre essa obra, cultuada até os dias atuais e que estava à frente de seu tempo. Continuar lendo “Minhas Leituras #34: Madame Bovary – Gustave Flaubert”

Minhas Leituras #34: Madame Bovary – Gustave Flaubert

Alguns (dos vários) pontos negativos da liminar que permite tratar a homossexualidade como doença

Com a decisão tomada pelo juiz federal Waldemar Cláudio de Carvalho na última sexta-feira, 15/09, uma liminar que permite psicólogos tratarem a homossexualidade como uma doença foi concedida. Essa medida enfraquece a resolução 01/1999 do Conselho Federal de Psicologia (CFP), resolução essa que estabelece normas em relação à atuação do psicólogo em questões sobre a orientação sexual e não impede que estudos nessa área sejam realizados.

Essa decisão desagradou a categoria e grande parte da população, pois representa um grande retrocesso para a comunidade LGBT, que sempre foi discriminada ao longo das décadas e, recentemente, após diversas mudanças constitucionais, vinha obtendo o respeito que merece, assim como qualquer ser humano. Além disso, demonstra uma enorme falta de empatia e assemelha-se a uma maneira de se mascarar preconceitos (Freud chamaria isso de sublimação).

Vários pontos negativos surgirão a partir de então. Tentarei elencar alguns que mostram como a liminar, concedida pela Justiça Federal do Distrito Federal, não faz nenhum sentido e trará diversos prejuízos para os homossexuais, para a profissão de psicólogo e para a sociedade. Continuar lendo “Alguns (dos vários) pontos negativos da liminar que permite tratar a homossexualidade como doença”

Alguns (dos vários) pontos negativos da liminar que permite tratar a homossexualidade como doença

MINHAS LEITURAS #32: O ALIENISTA – MACHADO DE ASSIS

Título: O alienista
Autor: Machado de Assis
Editora: Penguin – Companhia das Letras
Ano: 2014
Páginas: 104
Veja o livro no site da editora: https://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=85139

“— Supondo o espírito humano uma vasta concha, o meu fim, Sr. Soares, é ver se posso extrair a pérola, que é a razão; por outros termos, demarquemos definitivamente os limites da razão e da loucura”. (ASSIS, Machado de. O alienista. Penguin – Companhia das Letras, 2014, p. 36)

Considerado por muitos “o maior escritor que Brasil já teve” (e considerado um pesadelo pelos alunos do Ensino Médio), Machado de Assis escreveu, ao longo de sua vida, diversos romances, novelas, contos, poesias e peças teatrais. Seu estilo de escrita teve variações ao longo de sua carreira, encontrando seu pico de criatividade no final de 1870 até a primeira metade da década de 1880. Foi um período onde trabalhou muito, escrevendo diversas obras. Do meio desse turbilhão criativo, nasceu a novela ‘O alienista’ (1882). Trata-se de uma histórica satírica sobre um psiquiatra que resolve criar um manicômio na vila onde reside.

Já imaginou algo assim ocorrendo no bairro onde você vive? Continue lendo e descubra mais sobre esse clássico da literatura brasileira.

Continuar lendo “MINHAS LEITURAS #32: O ALIENISTA – MACHADO DE ASSIS”

MINHAS LEITURAS #32: O ALIENISTA – MACHADO DE ASSIS

MINHAS LEITURAS #31: DIÁRIO DO SUBSOLO – FIÓDOR DOSTOIÉVSKI

Título: Diário do subsolo
Autor: Fiódor Dostoiévski
Editora: Martin Claret
Ano: 2012
Páginas: 144
Tradução: Oleg Almeida
Veja o livro no site da editora: http://martinclaret.com.br/livro/diario-do-subsolo/

“[…] caso o homem fosse mesmo uma tecla de piano, caso o provassem mesmo, por meio das ciências naturais e da matemática, nem assim ele mudaria de ideia, mas propositalmente faria algo contrário, apenas por ingratidão, para impor a sua opinião. (DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Diário do subsolo. Martin Claret, 2012, p. 45)

Dostoiévski foi um dos maiores autores do século XIX. Está entre os grandes nomes da literatura russa, assim como da literatura mundial. ‘Diário do subsolo’ (1864) pode não ser sua obra mais conhecida, porém isso não retira sua importância, muito menos diminui sua grandeza. Essa novela, com tons filosóficos, narra a história de um homem que vive no subsolo, mas não estamos falando de um espaço físico, trata-se do subsolo da alma. Continuar lendo “MINHAS LEITURAS #31: DIÁRIO DO SUBSOLO – FIÓDOR DOSTOIÉVSKI”

MINHAS LEITURAS #31: DIÁRIO DO SUBSOLO – FIÓDOR DOSTOIÉVSKI

A TEORIA COMPORTAMENTAL

A Terapia Comportamental (TC) é baseada nas terapias do comportamento que se desenvolveram no início do século XX, principalmente com J. B. Watson, que foi influenciado pelos estudos de Pavlov; sua grande repercussão ocorreu na década de 1950 com os estudos de B. F. Skinner (BAHLS; NAVOLAR, 2004).

Os estudos da teoria comportamental permitiram a criação de leis gerais do comportamento, tornando-o previsível. Existem dois tipos de comportamento dentro dessa perspectiva: o comportamento respondente (ou comportamento reflexo, involuntário) e o comportamento operante (os comportamentos voluntários, que modificam o ambiente e estão sujeitos a alterações de suas consequências) (BAHLS; NAVOLAR, 2004)

Comportamentos podem ser condicionados, ou seja, podem ser alterados dependendo das mudanças no ambiente. Os fatores causadores desse condicionamento são os reforçadores (negativos ou positivos) e/ou estímulos aversivos (BAHLS; NAVOLAR, 2004). Continuar lendo “A TEORIA COMPORTAMENTAL”

A TEORIA COMPORTAMENTAL

A HISTÓRIA DA ORIENTAÇÃO VOCACIONAL NO BRASIL

O texto a seguir foi parte de um trabalho que desenvolvi na faculdade, no meu curso de Psicologia. Foi um projeto de Orientação Vocacional executado em algumas escolas de Ensino Médio de minha cidade.

O processo de escolha de uma profissão é fundamental na vida de uma pessoa, pois, a partir dela, seu futuro será traçado. Geralmente essa escolha acontece na adolescência, um período de grande conflito e dúvidas. Muitos jovens encontram-se desorientados no meio de um turbilhão de cursos e carreiras disponíveis.

A visão e o conhecimento da Psicologia podem trazer diversos benefícios aos jovens que buscam conhecer melhor as profissões e a si mesmos. Trabalhando como facilitadores, os estagiários podem despertar novas ideias nesses adolescentes que estão em pleno momento de decisão. O trabalho com diálogos, debates de ideias e dinâmicas de grupo pode levantar questões e criar um ambiente para que esses alunos falem abertamente; um espaço que, muitas vezes, a família e a escola não proporcionam. Continuar lendo “A HISTÓRIA DA ORIENTAÇÃO VOCACIONAL NO BRASIL”

A HISTÓRIA DA ORIENTAÇÃO VOCACIONAL NO BRASIL