Minhas Leituras #36: Ciclo da Lua, poemas – César Magalhães Borges

Título: Ciclo da Lua, poemas
Autor: César Magalhães Borges
Editora: Editora Plêiade
Ano: 2010
Páginas: 94
Veja o livro no site da editora: http://www.editorapleiade.com.br/detalheslivro.php?cod=312

“Em palavras exatas,/ disseram/ que o mundo/ não teria mais fronteiras./ Mas ninguém falou/ que as barreiras cairiam/ somente para que/ subissem prateleiras/ desiguais em iguarias”. (BORGES, César Magalhães. Esperantos. In: Ciclo da Lua. Plêiade, 2010, p. 62)

Dentre os diversos subgêneros da literatura, a poesia é, talvez, aquela que dá maior liberdade ao trabalho do autor. Uma poesia não se faz apenas de rimas, que na verdade não são necessárias, possibilitando ao artista uma maior manipulação do verso, tanto no emprego de palavras, quanto em estrutura. É possível formatar o poema a seu gosto, dando uma característica visual ao texto, o que pode ser um ótimo recurso para expressar o que os versos dizem, de uma forma diferente e única. O presente livro apresenta poesias que usam e abusam da liberdade estrutural, o que dá vida e originalidade à obra. Continuar lendo “Minhas Leituras #36: Ciclo da Lua, poemas – César Magalhães Borges”

Anúncios
Minhas Leituras #36: Ciclo da Lua, poemas – César Magalhães Borges

POEMA: OLHE DEBAIXO DA CAMA

Um dos gêneros literários que mais gosto é o Terror. Livros que mexem com o imaginário, com os medos mais inconscientes. Acredito que atingir esse objetivo na literatura não deve ser algo fácil, é preciso muita criatividade e usar bem as palavras. Pensando nisso, resolvi escrever um poema voltado ao terror, com uma história sobre algo desconhecido, que persegue o narrador e que não pode ser visto. O desconhecido é sempre aterrorizante.

Será possível um poema causar medo? Continuar lendo “POEMA: OLHE DEBAIXO DA CAMA”

POEMA: OLHE DEBAIXO DA CAMA

POEMA: AQUELE SENTIMENTO ♥

Todo mundo conhece esse sentimento em questão. Conhecer por definição sim, mas dizer que todo mundo já o tenha sentido, é outra coisa.

Ele existe em diversas formas: fraternal, maternal, carnal, vários “als”. Porém sua forma mais marcante é aquela que te pega de surpresa, que te faz pensar “ferrou!”. Sabe aquele calor que dá ao conhecer alguém que lhe tira da zona do conforto? Que te faz ter pensamentos loucos? É disso que o poema fala.

O que seria de nós sem ele? Ah, aquele sentimento… Continuar lendo “POEMA: AQUELE SENTIMENTO ♥”

POEMA: AQUELE SENTIMENTO ♥

POEMA: A CADA DIA

Estou lendo ‘Diário do subsolo’, de Dostoiévski — esse que será o próximo post da sessão “Minhas Leituras”. Não é um livro alegre, nem muito positivo. O autor faz uma análise do subsolo que cada um de nós carrega. O protagonista do livro é muito crítico, passando a ver sua vida como algo banal, sempre com a mesma rotina, se calando, reprimindo suas vontades.

Essa brilhante obra do autor russo é uma das inspirações para esse poema. A vida rotineira que levamos é outra. Vivemos sempre postergando as coisas, dando importância àquilo que não deveria ser importante, deixando de lado o que realmente importa. O Futuro do Pretérito é o tempo verbal que mais conjugamos.

Aviso que esse não é um poema alegre, é até triste. Triste porque diz verdades, e verdades doem na maior parte do tempo. Mais do que tudo, são versos que lhe farão refletir sobre a rotina, sobre nossas ações e escolhas. Foge um pouco dos meus padrões, mas padrões sempre mudam (ou deveriam).

Espero que seja uma poesia que lhe agrade. Continuar lendo “POEMA: A CADA DIA”

POEMA: A CADA DIA

POEMA: BLOGOSFERA

Ser blogueiro é uma tarefa que exige paciência. Tudo começa devagar, é preciso perseverança para seguir em frente. Por isso pode ser frustrante no início. Mas com o tempo, isso muda. Passamos a conhecer outras pessoas, blogueiros assim como nós, que também decidiram seguir esse caminho.

Ao longo desse ano, conheci muita gente bacana. É uma relação que se fortalece a cada post, a cada curtir, a cada comentário. O mais interessante e belo, é que mesmo sem se conhecer pessoalmente, todo mundo se ajuda. É uma grande cooperação, sempre se incentivando.

Decidi escrever um poema que refletisse essa minha experiência no mundo dos blogs. Tentei escrever de maneira descontraída e utilizando alguns termos típicos desse mundo digital. Espero que goste! Continuar lendo “POEMA: BLOGOSFERA”

POEMA: BLOGOSFERA

POEMA: DOR

Há uma semana, mais ou menos, eu estava sentindo muita dor, eu não estava bem. E uma ideia me surge de uma situação adversa, mais uma vez.

Quem é que nunca sentiu dor? Já nascemos com ela, ao respirar o ar que nossos pulmões não estavam acostumados a receber. Se trata de um sentimento que nos acompanha pelo resto da vida, ruim pois senti-la não é bom, mas ao mesmo tempo nos faz lembrar de que estamos vivos e devemos seguir em frente.

Gosto de ser engraçado e acredito possuir certa facilidade em criar algo que possa fazer rir. Por isso a primeira estrofe que criei foi a última, que parece um pouco boba até, mas que é divertira (eu acho). O resto foi se desenrolando ao me lembrar de situações em que a dor passou pela minha vida.

Foi um poema bom de se escrever, e espero que seja bom de ler. Espero que goste. Pode dizer o que achou nos comentários. Seja sincero. Continuar lendo “POEMA: DOR”

POEMA: DOR

POEMA: O QUE POSSO DIZER?

Encontrei esse poema vasculhando os arquivos em meu computador. Sequer lembrava que o havia escrito. Achei os versos bonitinhos, de uma época onde eu era mais romântico do que agora, com certeza. O poeta pode fingir sentimentos para melhorar a sua obra, seus versos não precisam necessariamente representar o que realmente sente. Gosto desses versos porque não se trata de algo parecido, são palavras sinceras. Apenas fiz algumas alterações que achei necessárias, pois o tempo nos deixa mais críticos, quanto mais escrevemos, mais aprendemos e melhoramos. A última estrofe é nova, parecia que estava faltando um final.

Não é nenhuma-obra prima, mas espero que goste, nobre pessoa que dedicou parte de seu tempo para visitar meu blog. Continuar lendo “POEMA: O QUE POSSO DIZER?”

POEMA: O QUE POSSO DIZER?

ROCK E POESIA – POETS OF THE FALL

A banda finlandesa Poets of the Fall é algo peculiar no cenário musical atual. Formada em meados de 2003, possui 7 álbuns lançados até então; ‘Clearview’ foi o último, em 2016.

Apesar de ser uma banda da Finlândia, Marko Saaresto, o vocalista, canta e escreve as canções em inglês. Sua voz é única e surpreende tanto nas versões de estúdio, quanto ao vivo. Ele é um baixo-barítono treinado. Os outros membros da banda são: Markus Kaarlonen, Olli Tukiainen, Jani Snellman, Jaska Makinen e Jari Salminen. A qualidade musical de cada um deles é tão grande quanto a dificuldade de pronúncia (e escrita) de seus nomes. Continuar lendo “ROCK E POESIA – POETS OF THE FALL”

ROCK E POESIA – POETS OF THE FALL

POEMA: EVIDENTE

Aqui no blog já escrevi sobre terror, sobre clássicos, já escrevi dicas e fui muito crítico. Nunca escrevi algo sobre o amor, nem algo bonitinho. Por isso decidi postar esse poema, para fugir dos padrões. Já faz algum tempo que o escrevi, porém é a primeira vez que o posto em algum lugar. Não sou só trevas e escuridão, também tem amor nesse coração ❤😂. Espero que goste. Continuar lendo “POEMA: EVIDENTE”

POEMA: EVIDENTE

POEMA: SOBRE A ESCURIDÃO

Esse é um poema de 2012, escrito por um Alan mais jovem, fascinado por livros, histórias e jogos de terror. O resultado disso não poderia ser diferente, alguns versos sobre algo presente em qualquer boa prosa de horror: a escuridão.

A escuridão é um tema amplo, que pode ser explorado de diversas maneiras. Ninguém sabe o que se esconde na penumbra, quais criaturas se esgueiram por ela, os piores pesadelos que ela pode trazer. Enfim, nossa imaginação parece ganhar uma enorme força quando confrontada com a falta de luz. Ironicamente, a falta é o que dá luz à imaginação.

Deixo o aviso: tome cuidado com a escuridão, ela te observa, pode sentir seu medo. Continuar lendo “POEMA: SOBRE A ESCURIDÃO”

POEMA: SOBRE A ESCURIDÃO