Poema: O estande

Quem nunca errou, que atire o primeiro ‘não gostei’ nesse post!

Errar é comum, ao longo da vida erraremos incontáveis vezes. Mas, nós humanos, temos a capacidade de raciocinar e também temos concepções sobre aquilo que é certo e errado. Eis nossa perdição.

Acho difícil não existir alguém que nunca se sentiu culpado após cometer um deslize, após dizer o que não deveria, ou após magoar alguém. Isso faz parte de nós, afinal, ninguém quer ser mau.

Alguns desses erros são cometidos de forma inconsciente, mas, a maioria, é exercida com uma noção do que está sendo feito. Podemos fazer escolhas, das quais diversas consequências refletirão, podem ser boas, ou ruins; certas ou erradas.

Esse é um poema reflexivo, sobre esse tema. Continuar lendo “Poema: O estande”

Anúncios
Poema: O estande

TCC: Terapia Cognitivo-comportamental

A Terapia Cognitiva utiliza um conceito “biopsicossocial”, focalizando o trabalho sobre os fatores cognitivos da psicopatologia. Para a Terapia Cognitiva (TC), os indivíduos atribuem significados a certos aspectos de sua vida, por isso se comportam de determinada maneira e criam diferentes hipóteses sobre sua vida e sua própria identidade. O objetivo dessa Terapia seria a descrição da natureza de conceitos envolvidos na psicopatologia e fornecer estratégias capazes de corrigir esses conceitos.

Ocorre, na Terapia Cognitiva, um processo semelhante a testagem empírica; que ocorre a partir da aplicação de técnicas e conceitos desenvolvidos em sua base teórica, por isso é necessário que o terapeuta possua uma boa base teórica. Continuar lendo “TCC: Terapia Cognitivo-comportamental”

TCC: Terapia Cognitivo-comportamental

Setembro árduo

O ano de 2017 caminha cada vez mais rápido para o seu fim. Setembro terminou, e deu-se início ao mês das bruxas (graças à cultura importada). Outubro é o mês de muita coisa, tudo depende da pessoa: pode ser o mês da criança, dia 12 (que virou uma data comercial), quem é católico comemorará o Dia de Nossa Senhora Aparecida, no mesmo dia 12 (uma tristeza, pois é o dia do aniversário de minha cidade, Tupã-SP, ou seja, dois feriados no mesmo dia). 😔

Enfim, o mês está apenas começando e ainda possui 31 dias para muita coisa mudar e acontecer. Vamos falar sobre setembro, um mês que me foi muito desgastante, porém bom, pois nada de ruim me ocorreu, não tenho motivo para reclamar. A razão do título do post se deve às duas últimas semanas, que trouxeram uma nova prova a cada dia. Semana de prova na faculdade não é mole, ainda mais por eu trabalhar. O tempo se mostrou apertado para lidar com os estudos, o trabalho, estágio, leituras, posts do blog, mas, como naqueles romances água com açúcar, tudo terminou bem no final. Até consegui escrever um trabalho para um Congresso, o que vai me ajudar muito no estágio! Tenho a leve impressão de que consigo ser mais produtivo sob pressão do tempo. O ser humano consegue se virar muito bem quando a situação aperta, somos versáteis. 💪 Continuar lendo “Setembro árduo”

Setembro árduo

A SOCIEDADE A PARTIR DE DURKHEIM

A sociedade contemporânea vive e se organiza de maneira individualista, por conta do modelo econômico em que estamos inseridos: o capitalismo. O sentimento de pertencer ocorre em âmbitos mais estreitos, como pertencer à família. É raro ter o sentimento de pertencer a algo que extrapole os limites da família, como pertencer à comunidade onde se vive.

Os laços que prendem os indivíduos nos mais diferentes tipos de sociedade são dados pela solidariedade social. Segundo Émile Durkheim, essas solidariedades podem ser do tipo mecânica e orgânica (Ribeiro, 2016).

Para melhor compreender o conceito de solidariedade social, temos que entender dois conceitos: a consciência coletiva e a consciência individual. A consciência individual, como o próprio nome diz, é própria, possui características peculiares, ligada à nossa personalidade, de certo modo. Já a consciência coletiva seria a combinação de todas as consciências individuais, influenciando-as. Os valores morais referem-se aos sentimentos comuns do grupo onde se está inserido enquanto indivíduo, sendo transmitida pela vida social, de geração em geração (Ribeiro, 2016). Continuar lendo “A SOCIEDADE A PARTIR DE DURKHEIM”

A SOCIEDADE A PARTIR DE DURKHEIM

‘NÃO ESTOU LOUCO PARA FAZER TERAPIA!’

É comum ouvir esse tipo de frase vinda de alguém que não está muito por dentro sobre o que se trata a área da Psicologia. Não seria correto culpar as pessoas por isso, não de todo, afinal, por ser uma área fortemente ligada à saúde mental, muitos estigmas foram criados sobre a profissão ao longo das décadas. Temos linhas teóricas como a psicanálise, com um vasto e aprofundado estudo sobre a psicose; temos o histórico da psiquiatria, que rotulou pessoas e as trancou em manicômios durante muito tempo; e temos preconceitos, cristalizados na sociedade por esses motivos citados e também por muitos outros.

Uma coisa é certa: a Psicologia não é um estudo sobre a loucura (uma palavra com teor muito agressivo e negativo, que agride muito mais do que descreve), o fato de psicólogos não gostarem de rotular as pessoas com doenças mostra que esse não é bem o caso. A ideia de louco, geralmente se refere à pessoa que rompe com a realidade, um psicótico, que é uma parte muito baixa das pessoas que buscam, ou são levadas à terapia. A grande maioria da população não vive em situações extremas de delírios. Todo mundo tem problemas que poderiam ser amenizados com uma psicoterapia, desde a falta de habilidades sociais, até um caso de depressão mais aguda.

Porém, nem só de terapia vive o psicólogo. Esse é um profissional que está inserido em diversos contextos, a área de atuação é ampla. Na maioria dessas áreas, sequer ocorre uma terapia (não aos moldes tradicionais, de acordo com o setting terapêutico). Continue lendo e descubra que Psicologia não é uma “coisa de louco”. Continuar lendo “‘NÃO ESTOU LOUCO PARA FAZER TERAPIA!’”

‘NÃO ESTOU LOUCO PARA FAZER TERAPIA!’

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: O QUE É?

Estudiosos concordam que inclusão não se refere apenas às crianças com deficiência, mas também a todos que sofrem qualquer forma de exclusão educacional (FERREIRA, 2005). A Educação Inclusiva vem crescendo no mundo todo, propondo que toda criança tem direito à uma educação de qualidade, para isso as escolas devem se adaptar. Esse movimento cresceu muito após a Declaração Mundial de Educação para Todos e Diretrizes de Ação para o Encontro das Necessidades Básicas de Aprendizagem, em 1990.

O principal objetivo do movimento pelas escolas inclusivas é o de rompimento com práticas pedagógicas autoritárias e alienantes (FERREIRA, 2005). A maioria dos professores não dão espaço aos alunos, com práticas que não promovem autonomia, mas sim práticas de controle. Continuar lendo “EDUCAÇÃO INCLUSIVA: O QUE É?”

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: O QUE É?

CAPITALISMO E DIREITOS HUMANOS

A Declaração Universal dos Direitos Humanos, redigida em 1948, após as atrocidades cometidas durante a Segunda Guerra Mundial, é uma tentativa de delinear uma série de direitos básicos e foi adotada pela Organização das Nações Unidas (ONU). Se compreendermos esses diretos como pré-estatais, caímos na ideia liberal de direito natural; considerando-os direitos morais, são direitos sem valor algum diante de um tribunal (Lohmann, 2013). Para que os Direitos Humanos se tornem direitos jurídicos, é preciso que o Estado forneça meios de garanti-los, através de políticas públicas, a partir do momento em que os Estados se comprometeram a promover uma cooperação com a Declaração (ONU, 1948).

Segundo Alves (2012), os Direitos Humanos saíram de moda. Isso se deve, em grande parte, ao fato da grande onda neoliberal que assola o mundo desde a década de 1980. Uma sociedade liberal é pautada no capitalismo e no individualismo, assim como no enfraquecimento do poder do Estado. Desde essa época, estados de bem-estar social, provedores de direitos, tendem a sucumbir (Justo, 2008). Continuar lendo “CAPITALISMO E DIREITOS HUMANOS”

CAPITALISMO E DIREITOS HUMANOS

VOCÊ CONHECE AS PAISAGENS AO SEU REDOR?

Nossa vida segue um certo roteiro, temos uma rotina regrada que tentamos seguir à risca (mesmo a contragosto). Temos uma rota que seguimos para todos os locais que precisamos ir: um caminho para o trabalho, um outro para a escola, mais um para ir à casa de um amigo. É comum usarmos sempre a mesma rua para ir aonde temos que ir, é mais fácil assim. Não é muito comum pensarmos “Acho que hoje usarei outro caminho para ir ao meu trabalho, vou por outra rua”. Pela necessidade de se economizar tempo, acabamos escolhendo o trajeto mais curto.

Conhecemos tão pouco sobre o que nos cerca, às vezes não sabemos nada sobre o próprio bairro onde vivemos. A vida pode chegar ao ponto de parecer repetitiva e pacata, porém nunca exploramos todos os cantos do nosso bairro, muito menos os de nossa cidade. A simples mudança de percurso para o trabalho pode proporcionar paisagens novas, adicionar algo de novo em nossa vida. Sonhamos em conhecer o mundo todo, cada cidade da Europa, mas sequer conhecemos 10% do lugar onde vivemos. Continuar lendo “VOCÊ CONHECE AS PAISAGENS AO SEU REDOR?”

VOCÊ CONHECE AS PAISAGENS AO SEU REDOR?

TEXTO PARA AS MÃES

Mãe é uma palavra de fácil compreensão, todo mundo sabe o seu significado. Ao ler essa palavra, já existe um símbolo que a representará em nossa mente. É bem provável que esse símbolo é o daquela que deu à luz seu filho. Mas será mesmo que esse é o real significado dessa palavra que todos conhecem, já que todos nasceram de uma mãe?

O fato de gerar um ser humano em seu ventre, durante 9 meses, é algo lindo e louvável. Diferente dos homens, as mulheres possuem essa missão, difícil, mas prazerosa. Não deve haver momento tão maravilhoso quanto o nascimento de um filho, ver aquele pequeno ser, carregado dentro de si com tanto carinho, aguardado com tanta ansiedade, nascer e chorar sua vinda ao mundo. Jamais saberei qual é essa sensação, porém posso imaginar como deve ser boa. Bem, nem para todas. Continuar lendo “TEXTO PARA AS MÃES”

TEXTO PARA AS MÃES

DA INOCÊNCIA À REALIDADE: A INFÂNCIA E A VIDA ADULTA

Se perguntarmos para alguém sobre a diferença entre a infância e a vida adulta, uma resposta será dada sem qualquer dificuldade. Uma diferença, seja qual for, será apontada. Isso mostra com total clareza que a vida muda quando deixamos de ser criança e nos vemos como adultos. São fases distintas e muito bem caracterizadas. Dentre as milhões de divergências que poderiam ser pontuadas entre essas duas fases, esse post vai discutir sobre uma em particular, uma característica muito marcante, porém uma que poucos localizariam logo de cara, como uma primeira resposta. Talvez uma criança possa apontar isso com mais facilidade, todavia seria uma resposta mais rara em um adulto, a não ser que se trate de um adulto sonhador. Acredito que o título resume muito bem a discussão que virá a seguir, apenas com menos detalhes. Continuar lendo “DA INOCÊNCIA À REALIDADE: A INFÂNCIA E A VIDA ADULTA”

DA INOCÊNCIA À REALIDADE: A INFÂNCIA E A VIDA ADULTA