Citações #2

Há um tempo atrás, fiz um post com diversas imagens que continham citações de livros que li, e foi muito bem recebido por quem acompanha o blog. Resolvi escrever sua continuação, afinal as leituras cresceram desde então, como consequência disso, anotei muitas outras citações.

Foi um hábito que iniciei nesse ano, que, além de proporcionar relembrar momentos marcantes de algum livro, também rende algumas frases para a vida, para algum momento, seja por sua mensagem, ou por sua beleza e significado. Continuar lendo “Citações #2”

Anúncios
Citações #2

Novembro e a luz no fim do túnel

Foi mais ou menos dessa forma que vi o mês de novembro. Muita coisa iria melhorar quando esse mês terminasse, e isso estava claro logo em seu início: os trinta dias que estavam por vir seriam duros, porém, ao final, haveria alívio. Último bimestre, últimas provas, trabalhos para serem entregues, estágio se encerrando, prazos apertados.

Dezembro iniciou-se sexta-feira, hoje é domingo, o terceiro dia do mês que encerra o ano. Consigo respirar com mais tranquilidade, afinal estou de férias, ao menos da faculdade, o que já significa uma preocupação a menos. Novembro foi puxado nos estudos, entretanto muito recompensador. O estágio prático, que ocorreu ao longo do ano e encerrou-se em novembro, parte da formação de um psicólogo, foi uma grande experiência. Tive uma ótima supervisora, grande conhecedora das técnicas da Análise do Comportamento. Aprendi muito com ela e com os atendimentos práticos. Passei a conversar com pessoas da minha sala com as quais eu não possuía um grande contanto, pois tornaram-se meus colegas de supervisão.

Apesar da correria, não deixei o blog de lado e mantive as postagens constantes, algo que gosto muito. Espero, nesses dois meses de férias, criar posts mais interessantes. Sem outras preocupações e com mais tempo livre para escrever e pensar, acho que isso será possível. Ademais, espero ler ainda mais nessas férias, hábito que mantive em novembro. Em geral, foram livros mais curtos, por conta da escassez de tempo, porém tamanho não quer dizer qualidade. Uma obra pode dizer muito em poucas páginas, isso depende da habilidade do escritor.

Seguindo um outro hábito, vamos ao ranking do mês de novembro! Continuar lendo “Novembro e a luz no fim do túnel”

Novembro e a luz no fim do túnel

Minhas Leituras #44: O estrangeiro – Albert Camus

Título: O estrangeiro
Autor: Albert Camus
Editora: Record/Altaya
Ano: 1995
Páginas: 122
Tradução: Valerie Rumjanek
Veja o livro no site da editora: http://www.record.com.br/livro_sinopse.asp?id_livro=24974

“Perguntou-me, depois, se eu não estava interessado em uma mudança de vida. Respondi que nunca se muda de vida; que, em todo caso, todas se equivaliam, e que a minha, aqui, não me desagradava em absoluto”. (CAMUS, Albert. O estrangeiro. Record-Altaya, 1995, p. 46)

Um livro curto, mas que diz muito, pois nos faz pensar. Esse é ‘O estrangeiro’, um romance filosófico, a obra mais conhecida de Albert Camus, que também falou muito, apesar de uma vida consideravelmente curta aqui neste mundo. Continuar lendo “Minhas Leituras #44: O estrangeiro – Albert Camus”

Minhas Leituras #44: O estrangeiro – Albert Camus

Minhas Leituras #43: A senhora do lago – Andrzej Sapkowski

Título: A senhora do lago, v. 1 e 2
Autor: Andrzej Sapkowski
Editora: WMF Martins Fontes
Ano: 2017
Páginas: 304 e 266
Tradução: Olga Bagińska-Shinzato
Veja o livro no site da editora: http://www.wmfmartinsfontes.com.br/produto/318199-senhora-do-lago-a-the-witcher-a-saga-do-bruxo-geralt-de-rivia-livro-7-vol-2

“Até um homem simples, inclusive cheio de alegria, até eufórico, deveria entender que a política também é uma espécie de guerra, embora travada de uma maneira um pouco diferente” (SAPKOWSKI, Andrzej. A senhora do lago, v.2. WMF Martins Fontes, 2017, p. 139)

Em 2011, chegava às livrarias brasileiras ‘O último desejo’, uma coletânea de contos de um tal bruxo Geralt de Rívia, o primeiro livro de uma série composta por sete (oito, se contarmos um prelúdio, lançado recentemente). Agora, em 2017, a saga chega ao fim, fechando o arco dessa incrível história de fantasia em grande estilo. Continuar lendo “Minhas Leituras #43: A senhora do lago – Andrzej Sapkowski”

Minhas Leituras #43: A senhora do lago – Andrzej Sapkowski

Poema: O estande

Quem nunca errou, que atire o primeiro ‘não gostei’ nesse post!

Errar é comum, ao longo da vida erraremos incontáveis vezes. Mas, nós humanos, temos a capacidade de raciocinar e também temos concepções sobre aquilo que é certo e errado. Eis nossa perdição.

Acho difícil não existir alguém que nunca se sentiu culpado após cometer um deslize, após dizer o que não deveria, ou após magoar alguém. Isso faz parte de nós, afinal, ninguém quer ser mau.

Alguns desses erros são cometidos de forma inconsciente, mas, a maioria, é exercida com uma noção do que está sendo feito. Podemos fazer escolhas, das quais diversas consequências refletirão, podem ser boas, ou ruins; certas ou erradas.

Esse é um poema reflexivo, sobre esse tema. Continuar lendo “Poema: O estande”

Poema: O estande

Minhas Leituras #41: Ensaio sobre a cegueira – José Saramago

Título: Ensaio sobre a cegueira
Autor: José Saramago
Editora: Companhia das Letras
Ano: 1995
Páginas: 312
Veja o livro no site da editora: https://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=10569

“[…] mas quando a aflição aperta, quando o corpo se nos desmanda de dor e angústia, então é que se vê o animalzinho que somos”. (SARAMAGO, José. Ensaio sobre a cegueira. Companhia das Letras, 1995, p. 243)

Em termos mundiais, o português não é um idioma cultuado, nem valorizado. Isso influencia a literatura, com autores lusófonos pouco conhecidos em países que falam outras línguas. Existem algumas exceções, como José Saramago, único autor, escrevendo em língua portuguesa, a vencer um Prêmio Nobel de literatura. Seu livro mais conhecido, ‘Ensaio sobre a cegueira’, é uma história pós-apocalíptica, com grandes debates filosóficos sobre ética e uma humanidade sem regras. Continuar lendo “Minhas Leituras #41: Ensaio sobre a cegueira – José Saramago”

Minhas Leituras #41: Ensaio sobre a cegueira – José Saramago

Poema: Messias líquido

Não se cria uma poesia à força. Você não se senta numa cadeira e diz “Agora vou escrever um poema”. É até possível sair algo, mas será algo sem inspiração, pois é a inspiração que faz a poesia. Ficar inspirado é algo que acontece e é preciso ficar atendo, ou toda uma boa ideia pode cair no esquecimento.

Esses momentos ocorrem de maneira aleatória. Estava no meu trabalho quando alguns versos surgiram em minha mente. Eram relacionados à água, chuva. Rapidamente os anotei em um pedaço de papel e tentei parar de pensar no assunto. Só voltei a focar nesses versos quando decidi que eles deveriam se transformar em poesia. Chegou o momento de lapidação da ideia original.

Assim formou-se esse poema, a partir da ideia de que a água é a fonte de nossa vida. Afinal, o que seria de nós sem ela? Continuar lendo “Poema: Messias líquido”

Poema: Messias líquido

MINHAS LEITURAS #31: DIÁRIO DO SUBSOLO – FIÓDOR DOSTOIÉVSKI

Título: Diário do subsolo
Autor: Fiódor Dostoiévski
Editora: Martin Claret
Ano: 2012
Páginas: 144
Tradução: Oleg Almeida
Veja o livro no site da editora: http://martinclaret.com.br/livro/diario-do-subsolo/

“[…] caso o homem fosse mesmo uma tecla de piano, caso o provassem mesmo, por meio das ciências naturais e da matemática, nem assim ele mudaria de ideia, mas propositalmente faria algo contrário, apenas por ingratidão, para impor a sua opinião”. (DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Diário do subsolo. Martin Claret, 2012, p. 45)

Dostoiévski foi um dos maiores autores do século XIX. Está entre os grandes nomes da literatura russa, assim como da literatura mundial. ‘Diário do subsolo’ (1864) pode não ser sua obra mais conhecida, porém isso não retira sua importância, muito menos diminui sua grandeza. Essa novela, com tons filosóficos, narra a história de um homem que vive no subsolo, mas não estamos falando de um espaço físico, trata-se do subsolo da alma. Continuar lendo “MINHAS LEITURAS #31: DIÁRIO DO SUBSOLO – FIÓDOR DOSTOIÉVSKI”

MINHAS LEITURAS #31: DIÁRIO DO SUBSOLO – FIÓDOR DOSTOIÉVSKI

O PAI PROVEDOR

Um homem passa por diversas etapas durante sua vida, umas mais fáceis, outras que se mostram um imenso desafio. Podemos situar a etapa de ser pai entre as mais desafiadoras. Há aqueles que escolhem inserir essa etapa em suas  vidas, assim como existem os que encaram essa tarefa meio que por acidente, meio sem querer.

Ser pai não é algo simples e nem todos conseguem desenvolver esse papel de maneira positiva. Como é possível observar, em cada função, ou em cada papel, há quem se destaca, e há quem falha, quem encontra dificuldades.

Refletindo acerca desse pensamento, podemos conceituar pais dos mais diversos tipos. Nesse post, pretendo analisar apenas dois desses tipos: o pai provedor, e o pai ideal. Todo homem é igual e diferente ao mesmo tempo. Mesmo que cresçam em ambientes completamente distintos, certas circunstâncias estarão presentes na vida de todos em determinado momento. Esses conceitos que estou criando, serão explicados no decorrer do texto, com uma análise sobre o que é ser homem e como isso implica em ser pai. Continuar lendo “O PAI PROVEDOR”

O PAI PROVEDOR

MINHAS LEITURAS #30: MANIFESTO DO PARTIDO COMUNISTA – MARX E ENGELS

Título: Manifesto do Partido Comunista
Autor: Karl Marx e Friedrich Engels
Editora: Penguin-Companhia das Letras
Ano: 2012
Páginas: 112
Tradução: Sergio Tellaroli
Veja o livro no site da editora: https://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=85058

“Que as classes dominantes tremam ante a revolução comunista. Os proletários nada mais têm perder com ela do que seus grilhões. Têm, sim, um mundo a ganhar. Proletários de todos os países, unam-se!” (MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. Penguin-Companhia das Letras, 2012, p. 83)

O século XIX foi um período de grande importância para o mundo. A partir desse período muita coisa mudou e as bases de nossa sociedade atual foram criadas. Houve muitos movimentos políticos, onde trabalhadores buscavam ter voz perante as decisões de seus países e por reformas nas condições de trabalho e salário. Uma das obras literárias de maior impacto nessa época foi o ‘Manifesto do Partido Comunista’. As ideias contidas nesse pequeno livro mudaram o rumo da história e a forma de se enxergar o mundo e as relações humanas. Amados por muitos, odiado por outros, possui conceitos que ainda são atuais, porém outros nem tanto. Continuar lendo “MINHAS LEITURAS #30: MANIFESTO DO PARTIDO COMUNISTA – MARX E ENGELS”

MINHAS LEITURAS #30: MANIFESTO DO PARTIDO COMUNISTA – MARX E ENGELS