‘NÃO ESTOU LOUCO PARA FAZER TERAPIA!’

É comum ouvir esse tipo de frase vinda de alguém que não está muito por dentro sobre o que se trata a área da Psicologia. Não seria correto culpar as pessoas por isso, não de todo, afinal, por ser uma área fortemente ligada à saúde mental, muitos estigmas foram criados sobre a profissão ao longo das décadas. Temos linhas teóricas como a psicanálise, com um vasto e aprofundado estudo sobre a psicose; temos o histórico da psiquiatria, que rotulou pessoas e as trancou em manicômios durante muito tempo; e temos preconceitos, cristalizados na sociedade por esses motivos citados e também por muitos outros.

Uma coisa é certa: a Psicologia não é um estudo sobre a loucura (uma palavra com teor muito agressivo e negativo, que agride muito mais do que descreve), o fato de psicólogos não gostarem de rotular as pessoas com doenças mostra que esse não é bem o caso. A ideia de louco, geralmente se refere à pessoa que rompe com a realidade, um psicótico, que é uma parte muito baixa das pessoas que buscam, ou são levadas à terapia. A grande maioria da população não vive em situações extremas de delírios. Todo mundo tem problemas que poderiam ser amenizados com uma psicoterapia, desde a falta de habilidades sociais, até um caso de depressão mais aguda.

Porém, nem só de terapia vive o psicólogo. Esse é um profissional que está inserido em diversos contextos, a área de atuação é ampla. Na maioria dessas áreas, sequer ocorre uma terapia (não aos moldes tradicionais, de acordo com o setting terapêutico). Continue lendo e descubra que Psicologia não é uma “coisa de louco”. Continuar lendo “‘NÃO ESTOU LOUCO PARA FAZER TERAPIA!’”

Anúncios
‘NÃO ESTOU LOUCO PARA FAZER TERAPIA!’

ORGANIZAÇÕES QUE APRENDEM E GESTÃO DO CONHECIMENTO

As organizações do século XXI têm investido pesado na gestão do conhecimento, pois isso é algo que pode diferenciar uma empresa das demais. O conhecimento sobre um bem, um produto ou cliente passa a ser uma informação valiosíssima para uma empresa. Temos hoje o desafio de se considerar a gestão do conhecimento como ferramenta estratégica, como uma forma de gerir pessoas que busque a eficiência e eficácia, pois só dessa maneira uma empresa pode sobreviver nessa nova realidade, que é a Era das Informações.

A criação de valores que se transformam em estratégias competitivas nesse mercado competitivo é uma vantagem que uma empresa pode obter sobre outra. Um dos pilares das iniciativas de gestão de conhecimento no âmbito organizacional é a infraestrutura tecnológica, pois proporciona segurança, disponibilidade e acesso rápido ao conhecimento. Continuar lendo “ORGANIZAÇÕES QUE APRENDEM E GESTÃO DO CONHECIMENTO”

ORGANIZAÇÕES QUE APRENDEM E GESTÃO DO CONHECIMENTO