RANKING DE JULHO

Pelo post estar um pouco atrasado, acho que já se pode imaginar certas coisas. O mês de julho terminou muito corrido e agosto começou mais corrido ainda! Isso se deve ao fato de minhas aulas terem reiniciado; adeus férias . 😭

Não consegui escrever este post para o primeiro dia desse longo mês de agosto. Bem, antes tarde do que nunca. Cá estou tentando resumir como foram os últimos 31 dias.

Foi possível descansar bastante. Apesar de eu ter um emprego e não estar de férias do mesmo, as férias da faculdade já ajudaram. Estudar cansa mais a mente do que o corpo, tanto pelo conteúdo a ser lido, quanto pela preocupação com prazos e desempenho. O desgaste mental é pior do que o físico, porque uma mente cansada significa um corpo cansado, por consequência. Acredito estar voltando renovado às aulas (é o que veremos). Preparei meu psicológico para aguentar mais dois bimestres de muito trabalho.

Mesmo descansando, não me desprendi do blog, pois é algo pelo qual peguei gosto. Gosto de fazer minhas postagens e ver o desempenho, que se manteve bom. Espero sempre estar melhorando a qualidade dos meus textos, sempre procurando evoluir. As leituras também continuaram no mesmo ritmo, e como está se tornando um costume, trago o ranking dos livros que li. É uma boa hora para obter algumas dicas de leitura. Quem sabe os títulos apresentados aqui não despertam em você uma curiosidade, daquelas que chegam a coçar. Continuar lendo “RANKING DE JULHO”

RANKING DE JULHO

5 LIVROS COM CAPAS RUINS

Dizer que não se deve julgar um livro pela capa é um grande clichê, porém alguns clichês tendem a ser reais. Esse é um deles. Não é culpa do autor se os designers de sua editora escolheram uma capa de gosto duvidoso para sua obra.

As capas dos livros são um chamativo para o leitor, o possível comprador. Elas devem ser bonitas, possuir uma arte que deixe quem as vê curioso. Para um autor famoso, talvez uma capa ruim não faça diferença, pois o que mais chamará atenção é o seu nome estampado, não o design em si. Mas para um autor iniciante, uma boa capa pode fazer toda a diferença.

Podemos dizer que as capas evoluíram muito com os anos. Cada vez mais as editoras investem nessa etapa da produção de um livro. Trata-se de empresas que visam o lucro acima de tudo, afinal, sem o dinheiro não possuem condições para continuar funcionando. Isso mostra que as capas são uma parte importante na venda de um livro.

Claro que a capa não quer dizer nada, elas tentam transmitir algo da narrativa, porém não dizem nada a respeito da qualidade da prosa que estão protegendo. Nesse post, vou sim julgar o livro pela capa; entretanto vou julgar a qualidade da escolha da capa, não seu conteúdo, muito menos a escrita do autor. Para quem gosta de livros, a capa não importa muito, mas é legal possuir uma edição bonita na estante.

Vamos para a lista! Continuar lendo “5 LIVROS COM CAPAS RUINS”

5 LIVROS COM CAPAS RUINS

MINHAS LEITURAS #26: SOLARIS – STANISLAW LEM

Título: Solaris
Autor: Stanislaw Lem
Editora: Aleph
Ano: 2017
Páginas: 320
Tradução: Eneida Favre
Veja o livro no site da editora: http://www.editoraaleph.com.br/solaris/p

“O homem saiu para encontrar outros mundos, outras civilizações, sem saber nada sobre seus próprios recessos, ruas sem saída, poços e portas bloqueadas e escuras”. (LEM, Stanislaw. Solaris. Aleph, 2017, p. 239)

A Aleph, uma editora focada em livros de ficção científica, está repleta de lançamentos em 2017. Um desses lançamentos é o livro ‘Solaris’, do autor polonês Stanislaw Lem. Nessa obra, acompanhamos o psicólogo Kris Kelvin em sua visita ao planeta Solaris. Esta magnífica descoberta da humanidade guarda muitos segredos e pode marcar o primeiro contato do ser humano com a vida extraterrestre. Entretanto, as coisas não saem muito bem como Kelvin havia imaginado. Descubra um pouco mais sobre esse clássico da ficção científica, que possui um teor filosófico, além do especulativo. Continuar lendo “MINHAS LEITURAS #26: SOLARIS – STANISLAW LEM”

MINHAS LEITURAS #26: SOLARIS – STANISLAW LEM

OS MELHORES DE MAIO

Mais um mês se iniciou para nós, seres cronológicos, termos mais alguns dias para contabilizar semanas, meses e anos; uma rotina que nos move, querendo ou não. Junho começou bem por aqui, fazendo um pouquinho de frio, um clima muito gostoso, ainda mais com as festas juninas se aproximando, não se poderia querer nada melhor. Porém, o assunto do post é outro: é o mês de maio!

Como maio foi, na sua opinião, caro leitor? Espero que tenha sido excelente, porque assim o foi para mim. Apesar da correria com meu trabalho e com a faculdade, que está me levando ao limite da pontualidade, considero que foram ótimos trinta e um dias. Posso levantar vários pontos para sustentar minha afirmação: consegui ser pontual com os trabalhos da faculdade e com o estágio, tudo vai bem em meu emprego, o blog nunca teve tantos visitantes quanto agora, nada de ruim me aconteceu. Uma eventualidade ou outra sempre aparece, mas temos que focar nas coisas boas, as ruins estão aí para serem superadas, são partes intrínsecas da vida, afinal.

Um outro ponto positivo do mês do trabalhador foi o de que fora produtivo para a leitura e para a produção aqui do blog. Consegui fazer três posts semanais, o que foi muito desafiador e gratificante. E como falo muito de literatura por aqui, dou início à uma nova sessão de posts: todo começo de mês irei fazer um ranking das melhores leituras do mês anterior! Temos quatro concorrentes esse mês: ‘As aventuras de Huckleberry Finn’, de Mark Twain; ‘As travessuras da menina má’, de Mário Vargas Llosa; ‘Caixa de pássaros’, de Josh Malerman; e ‘Nós’, de Ievguêni Zamiátin. Dessa forma, lhe apresento as melhores leituras de maio! Continuar lendo “OS MELHORES DE MAIO”

OS MELHORES DE MAIO

MINHAS LEITURAS #17: NÓS – IEVGUÊNI ZAMIÁTIN

Título: Nós
Autor: Ievguêni Zamiátin
Editora: Aleph
Ano: 2017
Páginas: 344
Tradução: Gabriela Soares
Veja o livro no site da editora: http://www.editoraaleph.com.br/nos/p

— E que última revolução é essa que você quer? Não há última, as revoluções são infinitas. (ZAMIÁTIN, Ievguêni. Nós. Aleph, 2017, p. 237)

A obra mais conhecida do escritor russo Ievguêni Zamiátin [“Nós”] possui a fama de ser a distopia original, aquela que inspirou trabalhos posteriores como “Admirável mundo novo”, de Aldous Huxley, “1984”, de George Orwell e “Cântico”, da também russa, Ayn Rand (nesse a influência é extremamente evidente). Se não fosse por esse romance, finalizado em 1920, talvez esse gênero literário não se consagrasse, talvez esses autores citados não se interessassem em escrever histórias do tipo. Uma distopia é, basicamente, uma utopia que deu errado, ou uma utopia que certas pessoas acham que deu errado, pois são enredos que falam sobre governos totalitários, que abdicam sua população de qualquer forma de liberdade. O livro sofreu censura e não foi publicado na Rússia, devido ao período histórico no qual Zamiátin estava inserido: época posterior a Revolução Russa de 1917, com a ascensão Stálin ao poder. A citação acima demonstra um pouco o teor do enredo, que não ia muito de acordo com os ideais do governo stalinista. Continuar lendo “MINHAS LEITURAS #17: NÓS – IEVGUÊNI ZAMIÁTIN”

MINHAS LEITURAS #17: NÓS – IEVGUÊNI ZAMIÁTIN

MINHAS LEITURAS #11: ANDROIDES SONHAM COM OVELHAS ELÉTRICAS? – PHILIP K. DICK

Título: Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?
Autor: Philip K. Dick
Editora: Aleph
Ano: 2014
Páginas: 272
Veja o livro no site da editora: http://www.editoraaleph.com.br/androides-sonham-ovelhas-eletricas-/p

O que nos torna humano? O que nos diferencia de outras coisas? Seria a empatia? Essa talvez seja a principal questão abordada por Philip Kindred Dick em Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?. Livro que não é apenas uma simples ficção científica, das boas aliás, mas é um livro que aborda questões sobre o ser humano, com grande teor filosófico. Continuar lendo “MINHAS LEITURAS #11: ANDROIDES SONHAM COM OVELHAS ELÉTRICAS? – PHILIP K. DICK”

MINHAS LEITURAS #11: ANDROIDES SONHAM COM OVELHAS ELÉTRICAS? – PHILIP K. DICK