POEMA: DOR

Há uma semana, mais ou menos, eu estava sentindo muita dor, eu não estava bem. E uma ideia me surge de uma situação adversa, mais uma vez.

Quem é que nunca sentiu dor? Já nascemos com ela, ao respirar o ar que nossos pulmões não estavam acostumados a receber. Se trata de um sentimento que nos acompanha pelo resto da vida, ruim pois senti-la não é bom, mas ao mesmo tempo nos faz lembrar de que estamos vivos e devemos seguir em frente.

Gosto de ser engraçado e acredito possuir certa facilidade em criar algo que possa fazer rir. Por isso a primeira estrofe que criei foi a última, que parece um pouco boba até, mas que é divertira (eu acho). O resto foi se desenrolando ao me lembrar de situações em que a dor passou pela minha vida.

Foi um poema bom de se escrever, e espero que seja bom de ler. Espero que goste. Pode dizer o que achou nos comentários. Seja sincero. Continuar lendo “POEMA: DOR”

POEMA: DOR

MINHAS LEITURAS #28: MERIDIANO DE SANGUE – CORMAC MCCARTHY

Título: Meridiano de sangue
Autor: Cormac McCarthy
Editora: Alfaguara
Ano: 2009
Páginas: 352
Tradução: Cássio de Arantes Leite
Veja o livro no site da editora: Atualmente esgotado

“O homem que acredita que os segredos do mundo estão escondidos para sempre vive em mistério e medo. A superstição o arrasta para o fundo”. (MCCARTHY, Cormac. Meridiano de sangue. Alfaguara, 2009,  p. 210)

Assim como boa parte da história do mundo, a história da expansão territorial dos Estados Unidos foi marcada por episódios sangrentos e horríveis. Esse livro fala sobre a violência do Oeste no século XIX. É uma narrativa de estilo Western, misturando fatos históricos e ficção, com o estilo do autor. Um livro violento, de leitura pesada, porém que revela como a violência moldou o mundo. Afinal, conquistas territoriais nunca foram pacíficas. Continuar lendo “MINHAS LEITURAS #28: MERIDIANO DE SANGUE – CORMAC MCCARTHY”

MINHAS LEITURAS #28: MERIDIANO DE SANGUE – CORMAC MCCARTHY

5 LIVROS QUE COPIARAM A CAPA DO FILME 👎😒👎

Desde que o cinema se popularizou, diretores têm adaptado livros de sucesso para as telonas. Ao longo da história cinematográfica houve excelentes adaptações, dignas de Oscar, e outras bem ruins, dignas de vergonha alheia.

Essa parceria entre literatura e cinema é benéfica para todos os envolvidos. O escritor lucra com a venda dos direitos autorais, assim como seu editor. Além disso, seu nome ganha mais fama. Já os envolvidos com o filme podem ganhar muito dinheiro com o sucesso da película.

Há autores desconhecidos que ganham fama após o sucesso de um filme, pois seu livro passa a ser mais procurado. Se o autor já for muito conhecido, os produtores do filme podem contar com um lucro praticamente garantido.

Algo comum no meio editorial é a utilização da arte da capa de um filme para a arte da capa de um livro. Muitas editoras tentam entrar na onda de sucesso, deixando a criatividade de lado. Isso resulta em capas genéricas, que não representam o livro de verdade.

Utilizando a ideia do POST da semana passada, dessa vez trago cinco capas de livros que copiaram as capas das suas respectivas adaptações cinematográficas. São capas sem qualquer pingo de criatividade. É muito fácil pagar os direitos para utilizar uma imagem que já está pronta. Também é uma pena, pois muitos artistas fariam obras mais bonitas e mais chamativas para as editoras.

Confira esses desapontamentos: Continuar lendo “5 LIVROS QUE COPIARAM A CAPA DO FILME 👎😒👎”

5 LIVROS QUE COPIARAM A CAPA DO FILME 👎😒👎

POEMA: O QUE POSSO DIZER?

Encontrei esse poema vasculhando os arquivos em meu computador. Sequer lembrava que o havia escrito. Achei os versos bonitinhos, de uma época onde eu era mais romântico do que agora, com certeza. O poeta pode fingir sentimentos para melhorar a sua obra, seus versos não precisam necessariamente representar o que realmente sente. Gosto desses versos porque não se trata de algo parecido, são palavras sinceras. Apenas fiz algumas alterações que achei necessárias, pois o tempo nos deixa mais críticos, quanto mais escrevemos, mais aprendemos e melhoramos. A última estrofe é nova, parecia que estava faltando um final.

Não é nenhuma-obra prima, mas espero que goste, nobre pessoa que dedicou parte de seu tempo para visitar meu blog. Continuar lendo “POEMA: O QUE POSSO DIZER?”

POEMA: O QUE POSSO DIZER?

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

Há uma escassez de bibliográfica para o psicólogo, mesmo na especialização, quando o assunto são o SUS (Sistema Único de Saúde), e a ESF (Estratégia Saúde da Família), sendo que o material disponível está relacionado à uma ou outra ESF (FRANÇA; VIANA, 2006).

A constituição da República Federativa do Brasil de 1988 diz que todo cidadão brasileiro tem direito a saúde e o Estado tem o dever de garanti-la. O SUS foi criado para garantir esse direito à população. Em 19 de setembro de 1990 a lei n° 8080 foi criado, regulamentando-o.

A gestão do SUS é descentralizada, não ficando somente no nível da União, mas também dando autonomia às cidades e aos Estados. Isso garante a instalação da ESF nos municípios, já que as USFs (Unidades Saúde da Família) são de responsabilidade dos Governos Municipais. Continuar lendo “CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA”

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

MINHAS LEITURAS #27: O SOL É PARA TODOS – HARPER LEE

Título: O Sol é para todos
Autor: Harper Lee
Editora: José Olympio
Ano: 2015
Páginas: 364
Tradução: Beatriz Horta
Veja o livro no site da editora: http://www.record.com.br/livro_sinopse.asp?id_livro=28725

“Você só consegue entender uma pessoa de verdade quando vê as coisas do ponto de vista dela”. (LEE, Harper. O Sol é para todos. José Olympio, 2015, p. 43)

Poucos livros conseguem descrever um momento histórico de maneira tão precisa. Harper Lee conseguiu. ‘O Sol é para todos’ consegue transmitir de maneira muito clara como era a sociedade do Sul dos Estados Unidos na década de 1930. Racismo, conservadorismo, coerção social, tudo está presente nesse livro. E melhor de tudo: é uma prosa gostosa e muito fácil de ler. Uma obra que aborda um tema pesado de maneira inteligente e interessante. Que tal conhecer um pouco mais sobre essa autora e seu livro, considerado um dos melhores romances de seu país? Continuar lendo “MINHAS LEITURAS #27: O SOL É PARA TODOS – HARPER LEE”

MINHAS LEITURAS #27: O SOL É PARA TODOS – HARPER LEE

5 LIVROS COM CAPAS RUINS

Dizer que não se deve julgar um livro pela capa é um grande clichê, porém alguns clichês tendem a ser reais. Esse é um deles. Não é culpa do autor se os designers de sua editora escolheram uma capa de gosto duvidoso para sua obra.

As capas dos livros são um chamativo para o leitor, o possível comprador. Elas devem ser bonitas, possuir uma arte que deixe quem as vê curioso. Para um autor famoso, talvez uma capa ruim não faça diferença, pois o que mais chamará atenção é o seu nome estampado, não o design em si. Mas para um autor iniciante, uma boa capa pode fazer toda a diferença.

Podemos dizer que as capas evoluíram muito com os anos. Cada vez mais as editoras investem nessa etapa da produção de um livro. Trata-se de empresas que visam o lucro acima de tudo, afinal, sem o dinheiro não possuem condições para continuar funcionando. Isso mostra que as capas são uma parte importante na venda de um livro.

Claro que a capa não quer dizer nada, elas tentam transmitir algo da narrativa, porém não dizem nada a respeito da qualidade da prosa que estão protegendo. Nesse post, vou sim julgar o livro pela capa; entretanto vou julgar a qualidade da escolha da capa, não seu conteúdo, muito menos a escrita do autor. Para quem gosta de livros, a capa não importa muito, mas é legal possuir uma edição bonita na estante.

Vamos para a lista! Continuar lendo “5 LIVROS COM CAPAS RUINS”

5 LIVROS COM CAPAS RUINS

ROCK E POESIA – POETS OF THE FALL

A banda finlandesa Poets of the Fall é algo peculiar no cenário musical atual. Formada em meados de 2003, possui 7 álbuns lançados até então; ‘Clearview’ foi o último, em 2016.

Apesar de ser uma banda da Finlândia, Marko Saaresto, o vocalista, canta e escreve as canções em inglês. Sua voz é única e surpreende tanto nas versões de estúdio, quanto ao vivo. Ele é um baixo-barítono treinado. Os outros membros da banda são: Markus Kaarlonen, Olli Tukiainen, Jani Snellman, Jaska Makinen e Jari Salminen. A qualidade musical de cada um deles é tão grande quanto a dificuldade de pronúncia (e escrita) de seus nomes. Continuar lendo “ROCK E POESIA – POETS OF THE FALL”

ROCK E POESIA – POETS OF THE FALL

MINHAS LEITURAS #26: SOLARIS – STANISLAW LEM

Título: Solaris
Autor: Stanislaw Lem
Editora: Aleph
Ano: 2017
Páginas: 320
Tradução: Eneida Favre
Veja o livro no site da editora: http://www.editoraaleph.com.br/solaris/p

“O homem saiu para encontrar outros mundos, outras civilizações, sem saber nada sobre seus próprios recessos, ruas sem saída, poços e portas bloqueadas e escuras”. (LEM, Stanislaw. Solaris. Aleph, 2017, p. 239)

A Aleph, uma editora focada em livros de ficção científica, está repleta de lançamentos em 2017. Um desses lançamentos é o livro ‘Solaris’, do autor polonês Stanislaw Lem. Nessa obra, acompanhamos o psicólogo Kris Kelvin em sua visita ao planeta Solaris. Esta magnífica descoberta da humanidade guarda muitos segredos e pode marcar o primeiro contato do ser humano com a vida extraterrestre. Entretanto, as coisas não saem muito bem como Kelvin havia imaginado. Descubra um pouco mais sobre esse clássico da ficção científica, que possui um teor filosófico, além do especulativo. Continuar lendo “MINHAS LEITURAS #26: SOLARIS – STANISLAW LEM”

MINHAS LEITURAS #26: SOLARIS – STANISLAW LEM

A SOCIEDADE A PARTIR DE DURKHEIM

A sociedade contemporânea vive e se organiza de maneira individualista, por conta do modelo econômico em que estamos inseridos: o capitalismo. O sentimento de pertencer ocorre em âmbitos mais estreitos, como pertencer à família. É raro ter o sentimento de pertencer a algo que extrapole os limites da família, como pertencer à comunidade onde se vive.

Os laços que prendem os indivíduos nos mais diferentes tipos de sociedade são dados pela solidariedade social. Segundo Émile Durkheim, essas solidariedades podem ser do tipo mecânica e orgânica (Ribeiro, 2016).

Para melhor compreender o conceito de solidariedade social, temos que entender dois conceitos: a consciência coletiva e a consciência individual. A consciência individual, como o próprio nome diz, é própria, possui características peculiares, ligada à nossa personalidade, de certo modo. Já a consciência coletiva seria a combinação de todas as consciências individuais, influenciando-as. Os valores morais referem-se aos sentimentos comuns do grupo onde se está inserido enquanto indivíduo, sendo transmitida pela vida social, de geração em geração (Ribeiro, 2016). Continuar lendo “A SOCIEDADE A PARTIR DE DURKHEIM”

A SOCIEDADE A PARTIR DE DURKHEIM